Archive for the ‘Clássicos’ Category


Esta é uma coletânea de músicas dos Beach Boys, e em minha opinião, uma ótima coletânea. Particularmente, eu gosto mais das músicas agitadas deles, então Surfin USA, I Get Around e Wouldn’t It Be Nice são o ponto alto dessa coletânea.

Me indicaram algumas músicas deles que não estão na coletânea, então pode-se dizer que falta alguma coisa, mas seria impossível colocar tudo em apenas uma coletânea.

Boa sonoridade, e um vocalzinho engraçado porém legal. Bom para quem gosta deste gênero.

Nota engenharia: 7

E pensar que aceitei fazer um blog em parceria pro meu sócio vir e comentar sobre Beach Boys… é… foda


Clássico. Essa é uma das melhores palavras para descrever este álbum. A batida simples mas contagiante, a guitarra animada, uma harmonia muito boa e um ótimo vocal. Eu ouso dizer que esta é uma das melhores bandas de todos os tempos.

Este álbum, com Have You Ever Seen The Rain, Who’ll Stop The Rain, Susie-Q, Bad Moon Rising, entre outras, é simplesmente magnífico. Minha música favorita, apesar disso, é Someday Never Comes, e eu devo ser o único que prefere esta a qualquer outra do álbum.

Se um alienígena chegasse na Terra e quisesse aprender sobre música, este deveria ser um dos primeiros álbuns mostrados. Um “must” para qualquer um que gosta de música de verdade.

Nota engenharia: 10

Ford GT-40

Posted: 13/04/2011 in Awesome, Carros, Clássicos

Esse carro é mítico, um dos mais importantes carros esportivos de todos os tempos. Ford tinha um trato decidido para comprar a Ferrari, mas no último segundo Enzo Ferrari mudou de idéia e cancelou tudo. Ford, ficou irritadinha e birrenta, decidiu fazer um carro que humilharia a Ferrari. E ele conseguiu. O Ford GT-40 ganhou quatro vezes seguidas as 24 horas de Le Mans, uma das mais importantes corridas do planeta.

Aí começa o problema. Ford é estadunidense, e sua marca também é. Um fato é conhecido por amantes de carros: estadunidenses não sabem fazer carros. Nesse momento um monte de idiotas que assistem filmes de Hollywood em demasia vão me irritar. Eles sabem fazer um carro rápido em linha reta, pegar um metal retorcido e colocar um motor com tanto torque quase faz a Terra girar e com tanta potência que se perdesse metade dos cavalos ainda seria um estábulo considerável, lembrando também que quando aceleram aparece um redemoinho no tanque de combustível, quase formando um vácuo. E nada dessas coisas são boas. Japoneses e europeus fazem muito mais com muito menos, e ainda tem a façanha de conseguirem carros que são capazes de fazer curvas.

Depois da explicação eu digo o problema: como um carro da Ford conseguiu ser tão bom e conseguiu humilhar a Ferrari? Nada disso faz sentido. Isso transtornava minhas noites, me levava a beber, era uma sombra negra na minha vida (drama queen huahuahuahuuhauhauha).

Depois de muito tempo tudo fez sentido. O icônico Ford GT-40 foi projetado pro britânicos, foi construído por britânicos, tudo feito na Inglaterra. Então o mais importante carro estadunidense de todos os tempos não é na verdade estadunidense? Novidade. Agora a história do GT-40 está no lugar certo, tanto quanto mulher na engenharia. Acho que não né? Está no lugar certo tanto quanto malucos na psicologia.

Nota engenharia (para o carro): 9,5

 

Nota psicologia(para o preço):0


Esse é um dos mais famosos filmes de Charles Chaplin. Sua personagem, o vagabundo, tenta sobreviver ao mundo moderno e industrializado. Com várias cenas hilárias, este filme é repleto de críticas sociais, como pobreza e a substituição da mão de obra humana por maquinário.

Uma das cenas mais famosas é aquela que ele fica maluco e sai apertando “parafusos” mesmo fora do trabalho. Outra parte ótima é a que ele tenta voltar para a prisão porque sua estadia lá tinha sido agradável.

Com muitas reviravoltas, este filme brilhante deveria ser visto por todos que gostam de filmes inteligentes e clássicos. Outro ponto a favor desse filme é a musica incidental (ou música cinematográfica) que é fantástica.

Nota engenharia: 9

 

Uma comédia de verdade, dá uma sensação de satisfação maior do que as que assistimos hoje, apesar do aspecto – e natureza – antigo do filme.

E o personagem do Chaplin não é vagabundo, afinal o cara trabalha uma vez hahahahaha

Um dos maiores clássicos do cinema de todos os tempos, vale muito a pena assistir a esse pedaço quase vivo da história do cinema e da sociedade.

 

Nota psicologia: 10

Ferrari F40

Posted: 11/04/2011 in Carros, Clássicos

Sim, eu sei que é um carro antigo, mas eu gosto muito dele e escreverei um pouco sobre ele. Este carro, quando lançado em 1987 foi o carro de produção mais rápido do mundo, superando o Porshe 959 e foi o primeiro carro deste tipo a ultrapassar 200 m/h (320 km/h). Um design lindo, voltado para a aerodinâmica fez deste carro um sonho para garotos do mundo inteiro. Eu já era nascido antes do fim da Ferrari F40, mas ainda era muito novo, porém quando eu era um pouco mais velho eu me lembro de ter um carrinho de fricção deste modelo, e o que o fazia tão especial era a alavanca embaixo do carrinho que levantava os faróis. Até hoje eu acho carros com esse aparato sensacionais.

A Ferrari F40, de certa forma, criou um nicho de mercado. Os super carros que eram apenas e somente carros. O Porshe 959 tinha muita tecnologia enquanto que seu competidor italiano não tinha nem controle de tração. Foi o primeiro carro totalmente em fibra de carbono, conseguindo assim ser muito leve, com motor muito potente e uma peculiaridade que começou com ela e até hoje vemos reflexos disso: o carro não tinha mais nada. Sim, tinha bancos, volante e etc, mas fora o estritamente necessário, esta Ferrari não tinha mais nada. Não havia nem encosto para o braço na porta, no lugar foi colocado uma cordinha para puxar e fechar a porta deste monstro italiano. O carro não tinha luxo algum. E nem muito conforto. Eu já vi pessoas dizendo que dirigir uma F40 é como ter uma broca e uma furadeira apertando seu pescoço. A Ferrari F40 criou o estilo de que bastava ser rápido e bonito para ser um super esportivo.

De certa forma, este carro é como se colocassem um motor potente de moto, como um 500cc, em uma bicicleta em que até o banco é muito ruim e sem conforto. Apesar disso tudo, é um carro fantástico que marcou época e ficará na memória dos amantes de automobilismo.

Nota engenharia: 10


Este é um dos filmes do grupo de humor Monty Python. A história é baseada no Rei Artur, a formação de Camelot e a busca pelo santo graal. Formulada de maneira a ser uma paródia, este filme destaca-se pelas mesmas características que o seriado do grupo (já fiz a crítica). Esse filme é extremamente criativo e original, tão original quanto um filme que o mal vence, tão original quanto um psicólogo racional ou um engenheiro normal. Com cenas inusitadas, humor inteligente e marcante, a história não é o peso da balança, mas sim as personagens e as situações enfrentadas. Algumas das mais marcantes e famosas são os cavaleiros que só dizem Ní e a fera negra de Ahh.

Entre reviravoltas e cenas que arrancam WTF até dos mais malucos dos psicólogos, este filme deveria ser visto por todos que gostam de comédias, porque muito veio do Monty Python, e também para aprenderem o que é humor de verdade. Por que digo humor de verdade? Porque não sou retardado e não preciso que o seriado me “avise” quando é para rir usando aquele fundo sonoro de risadas extremamente falsas. Ninguém irá gargalhar durante o filme inteiro, mas ainda assim é ótimo ver o que é feito, quase que um filme e uma história em diferentes sketches.

Nota engenharia: 9


Esta é uma série fantástica. Realizada toda em sketches, é extremamente inteligente e engraçada. Foi muito inovadora, com situações inusitadas e algumas animações, marcou época na comédia mundial, sendo os membros do Monty Python considerados para a comédia o que os Beatles foram para a música. A série tem quatro temporadas e o grupo depois fez mais quatro filmes seguindo a linha de humor que os tornou famosos (posteriormente farei crítica deles).

A segunda temporada é minha favorita, com o ministério da caminhada engraçada (ou tola) e com a inquisição espanhola. Especialmente o ministério, mas vários vídeos desta série são famosos na internet. O grupo acabou causando, devido a uma sketch desta série, a criação do termo “spam” como é utilizado hoje.

Muitos comediantes tiveram influência desses gênios, não adianta nem citar, mas eu já percebi easter eggs (termo utilizado para descrever algo fora do normal, por exemplo, uma personagem em uma cena que não faz o menor sentido estar lá, mas para quem entende é engraçado) sobre eles até no Simpsons da FOX.

Eu recomendo esta série para todos sem exceções. Já me disseram que o humor deles não é para gargalhar, em algumas sketches pode ser, mas prestando atenção pode-se perceber a inteligência e delicadeza nos detalhes, encaixando todas de maneira espetacular.

Agora paro de comentar porque se não ficaria a noite toda por aqui.

Nota engenharia: 9